Novidades

Após lipoaspiração, Aline Riscado enxertou gordura no bumbum

10 de março de 2016

alineO EXTRA descobriu um segredo guardado a sete chaves sobre a elogiada boa forma de Aline Riscado. Quando ainda estava no balé do “Domingão do Faustão”, e prestes a se despedir do programa em 2014, a bela passou por uma cirurgia para aumentar o bumbum.

Depois de uma lipoaspiração, ela enxertou nos glúteos a gordura retirada do abdômen para chegar aos seus 100cm de quadril. A técnica leva o nome de lipoenxertia de glúteo, não deixa cicatrizes e tem uma rápida recuperação, de cinco a seis dias.

Quando passou pelo procedimento, Aline Riscado pediu segredo absoluto sobre a cirurgia com medo de que a história vazasse, já que ela costuma dizer que suas medidas são resultado apenas de uma intensa malhação.

Fonte: Globo.com

ENTENDA MELHOR O TRANSTORNO DISMÓRFICO CORPORAL

11 de janeiro de 2016

12516235_10201487814873412_27314432_n

O transtorno dismórfico corporal (TDC) é uma doença grave, mas tem cura. Esta condição psicológica é caracterizada pela preocupação exagerada com a aparência ou defeitos pequenos, muitas vezes imperceptíveis, mas que assumem dimensões muito grandes para a pessoa. A doença se manifesta em um comportamento compulsivo pela aparência e causa muito sofrimento.

Para a Dra. Maria José, psicóloga especialista no assunto, o tema é delicado. “O TDC não deve ser confundido com uma preocupação normal com a aparência. A fronteira é subjetiva e por isso é uma doença difícil de identificar”, avalia a psicóloga.

A origem deste transtorno é genética e neuroquímica, mas o ambiente em que a pessoa está inserida também tem influência importante, especialmente durante a infância e a adolescência, períodos em que o bullying infelizmente é comum.

De acordo com a especialista, o TDC é um produto mental deslocado para o corpo, ou seja, é sentido como um problema na aparência física, o que pode levar as pessoas que sofrem com a doença a procurar auxílio na cirurgia plástica, na dermatologia, academia e odontologia.

“Muitas vezes a pessoa deixa de sair de casa e de relacionar-se normalmente com outras pessoas. Em casos mais extremos pode cometer o suicídio, tal é o nível de sofrimento subjetivo”, pontua Maria José. Neste cenário, desejar ou realizar um procedimento para alterar a aparência pode se tornar uma obsessão.

Em estágios considerados leves e moderados a cirurgia plástica pode até servir como parte do tratamento para estes pacientes. Quando o caso é grave é preciso envolver, além de psicoterapia, também um psiquiatra. Além disso, em geral, a doença é associada a outras doenças, como a depressão e ansiedade social.

Uma forma de identificar o TDC é se perguntar se sua aparência incomoda muito. Você pensa no assunto mais do que três horas por dia? Você deixa de fazer coisas por causa da sua aparência? As respostas podem indicar uma tendência ou mesmo a presença da doença.

Doença moderna?

O crescimento das selfies e a pressão social cada vez maior para se encaixar em padrões de beleza irreais podem induzir ao pensamento de que a TDC é uma doença moderna. Entretanto, a doença foi descrita pela primeira vez pelo médico italiano Enrico Morselli em 1886.

“Podemos dizer que hoje em dia o culto ao corpo e a importância da imagem exarcebam os casos”, comenta a psicóloga.

A doença é difícil de identificar e os estudos sobre o assunto são raros no país, mas segundo a Dra. Maria José a prevalência de sintomas para TDC, em pessoas que procuram cirurgias plásticas no Brasil, pode chegar até 57%.

A melhor forma de combater e prevenir este distúrbio está justamente na aceitação do corpo e no fim da pressão para se encaixar em padrões estéticos ou sociais.

“Pais e professores devem coibir o bullying e ensinar o respeito pelos limites do corpo. Também é importante ressaltar a beleza natural das pessoas, da diversidade, e mostrar que as imagens que tanto as influenciam são irreais. Sobretudo, é fundamental não ter vergonha de falar sobre o assunto”, finaliza a psicóloga.

Fonte: Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica

Exercícios são a salvação para a menopausa

7 de dezembro de 2015

????????????????????????????????????????????????????????????Durante a montanha-russa da menopausa, caminhar era a salvação para mim. Minhas amigas da academia e eu usávamos a esteira enquanto discutíamos tudo – desde problemas nos relacionamentos, passando por notícias do mundo, até os últimos lançamentos do cinema. Eu também amava caminhar sozinha pela margem do rio Eno, perto de casa, na Carolina do Norte. Aproveitava a solidão enquanto observava as garças e pensava sobre meus projetos. Caminhar, sozinha ou acompanhada, ativava meu corpo e nutria meu espírito naqueles anos.

Mas será que o exercício físico realmente reduz os sintomas físicos da menopausa, como os fogachos, as transpirações noturnas e a insônia?

Alguns estudos dizem que sim e outros afirmam que não há conclusões, mas os exercícios trazem benefícios quando o assunto é melhorar seu humor e reduzir ameaças potenciais à saúde. A Dra. Margery Gass, ex-diretora executiva da North American Menopause Society (NAMS), afirma que “exercícios também ajudam a reduzir os riscos comuns a esta época da vida: doenças do coração, diabetes e osteoporose. Ser sedentário é, para a NAMS, tão ruim quanto ter níveis ruins de colesterol ou risco de doenças cardíacas”.

“Quando você está lutando contra os sintomas da menopausa, como problemas para dormir ou alterações de humor, a última coisa que você quer é sair do sofá”, afirma a escritora Regina Boyle, antes de completar: “Mas fazer uma atividade pode ajudar a aliviar o tédio que você sente hoje e a combater os riscos da pós-menopausa que você pode enfrentar no futuro”, completa Boyle.

Especialistas recomendam que as mulheres participem em três tipos de atividades físicas:

– Exercícios aeróbicos, como caminhar, correr, nadar e dançar;
– Treinos de força que aumentem a massa muscular, como levantar pesos, usar faixas de resistência e aparelhos de musculação;
– Exercícios que promovam a flexibilidade e o equilíbrio, como yoga e Tai Chi.

E o temido ganho de peso na menopausa? De acordo com o site WebMD, estudos com animais mostram que o estrogênio ajuda a controlar o peso corporal. Com níveis deste hormônio baixos, os animais tendem a comer mais e ser menos ativos fisicamente. A redução do estrogênio também pode desacelerar o metabolismo, diminuindo o ritmo em que o corpo converte energia acumulada em energia utilizada. Os exercícios não apenas queimam calorias e aceleram o metabolismo, mas também amenizam problemas de humor, como a irritabilidade e a ansiedade, que podem levar as pessoas a comerem exageradamente.

Os sintomas emocionais e físicos da menopausa não me afetam mais, mas os exercícios continuam a ser uma parte feliz e revigorante da minha semana. Alguns dias eu luto contra a tentação de ficar no sofá, mas é só amarrar os cadarços dos meus tênis que fico imediatamente pronta para mandar ver. O Dr. Neil Resnick, diretor associado do Instituto de Envelhecimento da Univerisdade de Pittsburgh, afirma: “As pessoas procuram o segredo para uma vida longa e saudável há milênios quando, na verdade, a intervenção mais poderosa é o exercício físico”.

Como funciona a toxina botulínica

9 de novembro de 2015

12212313_10201294056909584_394468681_nA aplicação da injeção de toxina botulínica pode parecer um procedimento simples para você, já que se resume em apenas algumas picadas. Mas, na verdade, é uma arte e ciência que só um experiente profissional de saúde deve realizar.

Há 43 músculos na face e é vital que a pessoa que aplica as injeções de toxina botulínica entenda e identifique os pontos corretos para otimizar seu tratamento.

Uma agulha muito fina é usada para injetar pequenas quantidades de toxina botulínica em músculos específicos. Escolhendo, cuidadosamente, os músculos específicos, seu médico enfraquece, apenas, os músculos produtores de rugas, preservando suas expressões faciais. A aplicação da injeção de toxina botulínica geralmente leva menos de 15 minutos. O número de injeções que você precisará irá depender de vários fatores, incluindo as suas características faciais e a extensão de suas rugas. Pés de galinha, por exemplo, exigem geralmente 2-3 injeções. Sulcos acima da sobrancelha podem precisar de cinco ou mais injeções. Não é necessário aplicar anestesia. Não há tempo de repouso ou de recuperação. Os resultados são notados dentro de alguns dias, no entanto, pode demorar até uma semana para se ter o efeito completo. Esta melhora, normalmente, dura cerca de três a quatro meses. Quando os efeitos da toxina botulínica começam a desaparecer, os músculos reagem e as rugas reaparecem.

Cirurgia plástica durante a gravidez é segura?

13 de outubro de 2015

12168007_10201231719231181_964745427_nNão é nenhum segredo que a gravidez muda o corpo das mulheres e deixa “lembranças” do período, causadas pela flutuação de peso, hormônios e outros fatores. Também é um momento em que elas se sentem sem confiança e buscam medidas extremas para recuperar a aparência de antes da gravidez.

“Eu não recebo muitas pacientes grávidas. Como médico, ficaria preocupado de realizar qualquer procedimento “eletivo” que possa, direta ou indiretamente, causar complicações em gestantes”, afirma o cirurgião plástico americano Dr. Brian Regan. Ele explica que mesmo procedimentos comuns devem ser considerados com extrema cautela. “As possibilidades de complicações de cirurgias plásticas comuns é pequena, mas real. Eu evito aplicações de qualquer tipo em grávidas ou remédios que tenham efeitos hemodinâmicos como a lidocaína. A maioria das pacientes ganha peso durante a gestação e não precisam de mais volume em seus rostos. A literatura médica mostra que neurotoxinas não são recomendáveis durante a gestação”, explica o Dr. Regan.

O que é aceitável de acordo com os padrões médicos são procedimentos suaves, tópicos no máximo. Mesmo assim são feitos com moderação para combater reações hormonais como a melasma, uma descoloração facial da pele que é comum em mulheres grávidas.

“A Exfoliação suave da pele com microabrasão ou um peeling químico leve é aceitável durante a gestação. A melasma causada pelas mudanças hormonais pode ser tratada com laser ou peeling químico após a gravidez”, explica o cirurgião plástico. Dr. Regan ressalta também que a primeira opção para tratar o melasma induzido pela gravidez é o uso de protetor solar matizado para esconder a pigmentação.

O foco no desenvolvimento e na saúde do bebe é a prioridade para qualquer médico, mas as melhorias após a chegada da criança é quando o cirurgião plástico pode contribuir com segurança.
“Eu recomendo que as pacientes relaxem e se concentrem em sua saúde e na saúde de seu bebê durante a gravidez. Quando estiver pronto, nós estamos lá para atender às suas necessidades pós-gravidez. Clareamento da pele, lasers para hiperpigmentação, aumento do peito com mastopexia, abdominoplastia: todos ajudam as mães a sentirem e parecerem bem! “, afirma o Dr. Regan.

Então, o melhor conselho para as mulheres grávidas que se preocupam com sua estética global? Abrace a gravidez. Quando você está na marca de 5 meses todos sabem que você está grávida. Não espere parecer outra coisa senão grávida. Como o médico diz, a sua saúde e a saúde do bebê são de extrema importância. Depois você poderá reavaliar suas necessidades de cirurgia plástica após a gestação.

Fonte: Smart Beauty Guide
Autora: Bryce Gruber

Cirurgia plástica em exagero pode envelhecer você

27 de setembro de 2015

fotoEstá cada vez mais comum recorrer às cirurgias plásticas para “reverter” os efeitos do relógio. As pessoas querem parecer mais jovens, vibrantes e até mesmo permanecerem competitivas profissionalmente em um mercado que considera a aparência importante. Logo, o consultório do cirurgião plástico pode parecer com a fonte da juventude.

Mas será que não estamos indo longe de mais? Claramente há quem aproveite em demasia uma coisa que é boa e sofra as consequências: ao invés de parecer uma versões renovadas de si mesmas, rejuvenescidas e descansadas, as pessoas ficam parecendo exatamente o contrário. Pode ser excesso de preenchimento dérmico nos lábios, que deixam a pessoa com cara de peixe, ou aplicação de toxina botulínica em excesso, deixando a aparência de um boneco de cera. Também pode acontecer a remoção de muita gordura, especialmente na face, que pode deixar o rosto da pessoa exageradamente magro e envelhecido.

“Infelizmente isto tem sido uma tendência comum nos EUA, particularmente nos últimos anos, já que preenchimentos dérmicos mais poderosos e duradouros estão disponíveis, além de que outros procedimentos se tornaram mais desejados e acessíveis”, afirma o cirurgião plástico americano Dr. Brian Glatt.

Em geral, “ir longe de mais” é um julgamento estético compartilhado pelo cirurgião plástico e pelo paciente, explica o Dr. Glatt. Preenchimentos dérmicos devem melhorar a aparência de uma pessoa, não mudá-la drasticamente. A diferença deveria ser sutil para o paciente adquirir um visual renovado e vibrante e não ficar com a aparência de quem passou por um procedimento.

O cirurgião plástico americano ressalta que é preciso contar com um profissional certificado (no Brasil, pela SBCP) e explica que muitas pessoas parecem que passaram por cirurgias plásticas após o procedimento, o que é exatamente o oposto do que qualquer pessoa deseja.

Exageros e Excessos
“Se uma blefaroplastia for feita excessivamente e muito tecido for retirado, a região em volta dos olhos pode ficar com um buraco e deixar com aparência envelhecida. Este é um exemplo comum de como alguém pode aparentar ser mais velho após uma cirurgia plástica”, explica o Dr. Glatt. “Se a toxina botulínica não for aplicada corretamente ou em um paciente selecionado de forma incorreta, as sobrancelhas pode cair e deixar o rosto com um ar cansado e pesado”, completa o Dr. Glatt.

Outros cenários possíveis em que exageros e excessos na cirurgia plástica podem ter efeitos contrários aos desejados:

– muito preenchimento dérmico nos lábios pode criar um visual desequilibrado;
– levantar as sobrancelhas muito, que pode tirar a naturalidade do rosto;
– muita toxina botulínica, que deixa a face “congelada”;
– aumentar demais as bochechas, tirando o equilíbrio da face;
– remover gordura em exagero na região do pescoço, bochechas, na região dos olhos, já que o volume facial é um indicador de juventude.

Revisões
Então se houver exagero, é possível voltar atrás? No caso da aplicação de toxina botulínica, não, segundo o Dr. Glatt: é preciso esperar o período necessário para que os efeitos da aplicação passem. Os preenchimentos cutâneos podem ser revertidos com o uso de antídotos, especialmente os preenchimentos a base de ácido hialurônico. Se o tipo de cirurgia plástica for mais complexa, a regra geral é esperar ao menos um ano antes de passar pelo procedimento de revisão. Este período permite a total recuperação do corpo e também que os resultados finais da primeira cirurgia apareçam.

Com informações do Smart Beauty Guide

Procura por cirurgias plásticas aumenta em 50% no inverno

25 de agosto de 2015

invernoDesse total, 20% são feitas em pessoas do sexo masculino, número que tem registrado crescimento a cada ano

O inverno termina em setembro, mas a corrida às cirurgias plásticas continua. No frio, tais operações aumentam em 50% no Brasil. Desse total, 20% são feitas em pessoas do sexo masculino, um número que tem registrado crescimento a cada ano, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP) A Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética registra que os homens representam 35% de todos os procedimentos estéticos realizados no país.

Dados da SBCP indicam que 86% das cirurgias plásticas realizadas em 2014 foram em julho. Junho abarcou um total de 56% das realizações e janeiro, apenas 36%. Membro da SBCP, o cirurgião Dr. Luiz Anízio Wanna explica que esse período é o mais escolhido por proporcionar mais conforto ao paciente durante sua recuperação, principalmente quando a intervenção exige uso de cintas ou ataduras posteriormente. Além disso, o repouso torna-se mais cômodo pela ausência do calor excessivo; o paciente retém menos líquido e, consequentemente, fica menos inchado; ele pode usar roupas mais largas e/ou compridas para esconder curativos, cinta ou eventuais hematomas; a exposição ao sol é quase nenhuma, o que evita manchas na pele e acentuação de cicatriz.

Sobre o aumento do número de homens que recorrem à cirurgia plástica, Wanna ressalta que eles procuram as cirurgias não só para estética, mas também para fazerem algum tipo de reparação, ao contrário das mulheres que, em sua maioria, optam pela cirurgia somente para fins estéticos. Entretanto, ele considera que o homem tem se permitido ser mais vaidoso que antes. “O preconceito diminuiu e o homem hoje já encara com mais naturalidade a busca da beleza”, considera o cirurgião.

Embora o inverno seja propício à cirurgia plástica, o médico afirma que isso não quer dizer que não se deva fazer as intervenções em outras épocas do ano. “Para todos os incômodos causados no pós-operatório por causa do calor há soluções e precauções. Basta que o paciente evite pegar sol, permaneça em um ambiente refrigerado ou ventilado, dentre outras providências”, finaliza Wanna.

Fonte: A Tribuna